Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2017

«Pão, mel e amor», de Jenny Colgan

Pao Mel e Amor.jpg

«Esta é uma história mais "leve" mas que nos traz muita esperança, mostrando-nos que há sempre uma saída, uma forma de dar a volta, por muito complicada que a nossa vida esteja. Gostei muito das personagens e da maneira como a história está escrita.» 

Sara Berbigão - Blog O Encanto das Histórias 


Quando o seu casamento e a sua empresa familiar naufragam, Polly Waterford deixa Plymouth e encontra refúgio num pequeno porto de uma ilha do sul de Inglaterra. Instala-se num apartamento minúsculo situado por cima de uma padaria abandonada e, para levantar o moral, dedica-se ao seu passatempo preferido: fazer pão. Embora haja na aldeia mais uma mulher irascível que faz pão sem gosto, o aroma delicioso que emana da padaria de Polly logo atrai a curiosidade e simpatia dos habitantes. Aos poucos, com o intercâmbio de serviços e a partilha pequenos prazeres, ela reanima o espírito de entreajuda e partilha na aldeia.
Ao longo de encontros estranhos (um papagaio-do-mar bebé ferido, um apicultor diletante, marinheiros que gostam de comer bem) e de acontecimentos felizes ou trágicos que afetam a comunidade, o que devia ter sido apenas uma «pausa» torna-se o seu objetivo de vida.
Polly revela-se finalmente a si mesma: uma mulher determinada e criativa, pronta a morder a vida como uma sanduíche quente de pão estaladiço.
Um livro que nos faz sentir bem e que, num contexto de crise económica, promove os valores de partilha e apoio mútuo. Um tom carinhoso e engraçado numa história romântica com alguns toques melancólicos que nunca cai no sentimentalismo.

Polly Waterford está a recuperar de um relacionamento tóxico. Incapaz de pagar a prestação do apartamento, tem de se mudar para longe de toda a gente que conhece, e vai parar a uma pequena estância balnear sonolenta, onde vive sozinha por cima de uma padaria abandonada.
Polly começa então a sublimar as frustrações no seu passatempo favorito: fazer pão. O que antes era uma ocupação de fim de semana torna-se de repente muito mais importante, à medida que ela extravasa as suas emoções no amassar e no bater da massa, e o pão se vai tornando cada vez melhor. Com nozes e sementes, azeitonas e chouriço, com mel da região (cortesia do belo apicultor, Huckle), e com reservas de determinação e criatividade que Polly nunca julgou ter, ela coze e coze e coze... E as pessoas começam a ouvir falar disso. Às vezes, o pão é realmente a vida... E Polly está prestes a reclamar a sua.


«Com um ritmo enérgico, é um livro divertido, comovente e carregado de boas observações.»
Daily Mail

«Mais doce que um pacote de rebuçados... devorámos cada página com sofreguidão »
Cosmopolitan

«Uma história de amor inteligente e espirituosa.»
Observer

«Otimista e enternecedor»
Sunday Mirror

«Ler um romance de Colgan é como ouvir a sua melhor amiga, já inspirada por um copo de vinho, contar as últimas novidades. Divertido, dramático e frequentemente hilariante.»
Daily Record

 

 

Jenny Colgan.jpg

 

Jenny Colgan foi levada a escrever pelo tédio e tornou-se uma das mais populares autoras no Reino Unido. Escreve um livro por ano, para além de colaborar com o jornal The Guardian e com a Radio 4. Também é uma superfã da série Doctor Who e escrever novas aventuras para o «doutor» no seu romance, Dark Horizons.
Vive atualmente em França com o marido e os filhos.

 

publicado por Oficina do Livro às 11:11
link do post | favorito

.pesquisar

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A MAGIA DAS PEQUENAS COIS...

. PRAZERES INFAMES, de Eliz...

. Para as férias da Páscoa

. «Desaparecida» de Elizabe...

. «Ligações Arriscadas» de ...

. «Aqui Entre Nós» de Jane ...

. «Pão, mel e amor», de Jen...

. «Mais do que Sedução», Ch...

. Sophie Kinsella apresenta...

. «MÁSCARAS AO LUAR», de Ju...

. Novo romance de Sophie Ki...

. «Desejo e Preconceito», d...

. «Promessa de Casamento», ...

. «Para todo o sempre», Jud...

. «A Casa Misteriosa», de M...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.subscrever feeds