Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010

«O Jogo de Salazar», de Ricardo Serrado


 


«Futebol, Fátima e Fado não foram uma obra do regime “mas um impulso cultural” e o “refúgio” de um povo angustiado, defende Ricardo Serrado. O historiador e autor do livro O Jogo de Salazar – A Política e o Futebol no Estado Novo garante que nunca houve um plano de instrumentalização da modalidade por parte dos dirigentes salazaristas. Pelo contrário, ele acredita que o regime tinha algum receio do desporto mais popular do mundo.»

Leia aqui a entrevista de Pedro Justino Alves a Ricardo Serrado, que saiu no «Notícias Magazine», no dia 27 de Dezembro.
publicado por Oficina do Livro às 10:43
link do post | favorito
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

«O Jogo de Salazar», sessão de lançamento

  


 


Na noite de segunda-feira, falou-se de futebol na Fnac do Colombo. Foi a sessão de lançamento do livro O Jogo de Salazar, de Ricardo Serrado. A apresentação esteve a cargo do Prof. José Medeiros Ferreira que falou apaixonadamente do futebol no Estado Novo. Seguiu-se o treinador Toni que, com muito humor, falou da sua experiência futebolística no final dos anos 60, dando particular destaque à famosa final da taça de 1969.

Um grande agradecimento a todos os que estiveram presentes neste evento.

 
publicado por Oficina do Livro às 09:41
link do post | favorito
Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

«O Jogo de Salazar», Ricardo Serrado


.


Este é um livro sobre futebol. Sobre a história do futebol. Mas não sobre o futebol que conhecemos. Fala de outro futebol, ou melhor, do mesmo. Mas observado e interpretado de outra forma.

O futebol no Estado Novo.


 



Mais dados sobre o autor:



 



Ricardo Serrado, nasceu em Lisboa em 1980, é licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e mestre em História Contemporânea pela FCSH, da Universidade Nova de Lisboa.


Desde cedo que incidiu a sua área de estudo para a história do desporto, em geral, e do futebol, em particular, onde tem desenvolvido vários trabalhos e artigos pioneiros sobre essas temáticas. Ricardo Serrado destaca-se, sobretudo, por ter sido o primeiro historiador em Portugal a fazer, por impulso do mestre António Matos Ferreira, uma ligação nunca antes realizada no mundo académico – futebol e historiografia.


Neste momento está a coordenar um pioneiro e ambicioso projecto de investigação científica subordinado ao tema História do Futebol em Portugal – Uma Análise Social e Cultural. É, também, investigador do Instituto de História Contemporânea da FCSH, UNL, e do Centro de História da FLUL, sendo, ainda director do recém-criado Centro de História do Futebol e do Desporto.
publicado por Oficina do Livro às 17:20
link do post | favorito
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

«O Jogo de Salazar», Ricardo Serrado


 


«Uma obra para ler e reflectir sobre alguns casos controversos, que envolveram o futebol português dos anos do Estado Novo.»

Artur Agostinho

 


«Para quem pensava que o futebol foi utilizado pelo Estado Novo como uma arma de propaganda, este livro será uma surpresa. Escudado num sólido  e sério trabalho de pesquisa de fontes, o autor dá-nos uma outra visão da relação entre a Ditadura,  o desporto e o futebol em particular, pautada pela desconfiança em relação ao profissionalismo e ao espectáculo. Mais: para um regime eminentemente conservador e tradicionalista, o futebol transpirava demasiada modernidade para ser adoptado como um dos seus lazeres preferidos. Trata-se de uma análise rigorosa e desmitificadora de algo até agora aceite na opinião comum, sempre tão propensa a juntar o “F” de Futebol aos “FF” de Fado e Fátima como factores de alienação da sociedade portuguesa daquele tempo.» 

                                               António Reis

 

O Jogo de Salazar - A Política e o Futebol no Estado Novo chegará às livrarias na próxima semana.

publicado por Oficina do Livro às 14:43
link do post | favorito

.pesquisar

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. «O Jogo de Salazar», de R...

. «O Jogo de Salazar», sess...

. «O Jogo de Salazar», Rica...

. «O Jogo de Salazar», Rica...

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Junho 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.subscrever feeds